17 de setembro de 2014

Conferência irá debater logística e segurança alimentar de grãos depois da colheita

As dificuldades de logística existentes no processo de pós-colheita de grãos no Brasil e questões relativas à segurança alimentar compõem a temática central da VI Conferência Brasileira de Pós-colheita (VICBP2014) e do VIII Simpósio Paranaense de Pós-colheita de Grãos, a serem realizados de 14 a 16 de outubro de 2014, no Centro de Eventos Excellence, em Maringá (PR). Os eventos são promovidos pela Associação Brasileira de Pós-colheita (ABRAPOS) e pela cooperativa COCAMAR.Entre os principais temas da VI Conferência Brasileira de Pós-colheita (VICBP2014) estão: logística de produção, estocagem e expedição; segurança alimentar; produção do campo x qualidade de armazenamento; resíduos de pesticidas, infra-estrutura de armazenamento, automação de processos e segregação de produtos, custos e benefícios de processos; qualidade de grãos com foco principalmente em secagem, aeração e demais tecnologias, monitoramento, métodos e novas técnicas de controle de pragas e roedores; entre outros.

De acordo com o presidente da Abrapos, Irineu Lorini, pesquisador da Embrapa Soja, o evento pretende reunir aproximadamente 800 profissionais ligados ao setor de pós-colheita. Queremos promover a discussão em torno da conscientização dos profissionais da pós-colheita de grãos, na busca das especificações de qualidade desejadas pelo consumidor?.

Dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) indicam que o Brasil produziu 195,4 milhões de toneladas de grãos na safra 2013/14 e a estimativa é que a produção da próxima safra ultrapasse estes valores. No entanto, a capacidade de armazenagem do Brasil é de 148 milhões de toneladas. Para suprir esse déficit, o Brasil precisa ter uma capacidade armazenadora entre 20 e 25% superior, enfatiza o presidente da VI Conferência Brasileira de Pós-Colheita, Clodimar Viotto, da Cocamar.

No que diz respeito à logística, Viotto explica que 74% do transporte da safra brasileira ocorre pelas rodovias, no entanto, as estradas, em sua maioria, estão mal conservadas e a malha rodoviária brasileira é insuficiente. Além disso, a infra-estrutura portuária é precária?, ressalta. Desta forma, o custo gerado pela ineficiência de transporte no Brasil é estimado em 6% do PIB por ano (cerca de R$ 280 bilhões, avalia.

Quanto à segurança alimentar, Viotto destaca necessidade de enfatizar as Boas Práticas de Armazenagem e Fabricação em toda a cadeia de produção, o que envolve a produção de grãos sem contaminação química, física e, sobretudo por químicos. No processo de armazenagem, Viotto diz ser necessário evitar a contaminação biológica (insetos, fungos, bactérias). Por outro lado, no processo industrial, o foco de atenção deverá ser em reduzir a contaminação física (roedores, insetos e aves).

A Conferência tem a cooperação de várias instituições do setor de pós-colheita brasileiro, sendo a maioria cooperativas, que atuarão na co-promoção e apoio, como: C.Vale, Coamo, Agrária, Cotriguaçu, Castrolanda, Integrada, Cocari, Batavo, Comigo, Cooperalfa, Coopavel, Copacol, Lar, Caramuru Alimentos, Fiagril, UFV, UFSC, Codapar, Ceagesp, Feagri-Unicamp, Conab, Embrapa; CNPq, Capes, Abcao, Sistema Ocepar-Sescoop, OCB.

As inscrições podem ser feitas pela página do evento na internet até o dia 5 de outubro. Mais informações:www.abrapos.org.br/eventos/cbp2014/

Deixe seu comentário

*